sexta-feira, 19 de outubro de 2012

[Resenha] A Guerra dos Tronos - George R. R. Martin (As Crônicas de Gelo e Fogo #1)

A Guerra dos Tronos
George R. R. Martin
Editora: LeYa
Gênero: Fantasia
Páginas: 592

“Em uma terra onde o verão pode durar décadas e o inverno toda uma vida, os problemas estão apenas começando. O frio está de volta e, nas florestas ao norte de Winterfell, forças sobrenaturais se espalham por trás da Muralha que protege a região. No centro do conflito estão os Stark do reino de Winterfell, uma família tão áspera quanto as terras que lhe pertencem.
Dos lugares onde o frio é brutal, até os distantes reinos de plenitude e sol, George R. R Martin narra uma história de lordes e damas, soldados e mercenários, assassinos e bastardos, que se juntam em um tempo de presságios malignos. Entre disputas por reinos, tragédias e traições, vitória e terror, o destino dos Stark, seus aliados e seus inimigos é incerto. Mas cada um está se esforçando para ganhar este conflito mortal: a guerra dos tronos.”
Eu acredito que fazer a resenha de um livro cinco estrelas é dezenas de vezes mais desafiador do que fazer a resenha de um livro uma estrela. Acho que é porque criar um texto coeso ao mesmo tempo em que tenta se equilibrar no frágil limiar entre o que é fanatismo e o que é a real qualidade da obra é algo bem difícil. A vontade que eu tenho, nesse momento, é de gastar parágrafos e mais parágrafos contando e insistindo no quanto esse livro é bom, mágico e merece ser lido por qualquer pessoa que goste de fantasia (e, acredito, até mesmo por aquelas que não gostam tanto assim de fantasia.).

No entanto, eu preciso ter um pouco de paciência e trazer aquilo que há de mais encantador na obra de uma forma inteligível e convincente. Juro que tentarei me abster de todo e qualquer comentário fanático que eu possa porventura querer escrever aqui.

Lord Eddard Stark é o Senhor de Winterfell, uma das grandes Casas do Norte, e vive uma vida confortável em suas terras. No entanto, em um lugar onde o verão já durou muito tempo e o inverno está para chegar, a paz se torna ameaçada. Junto aos ventos gélidos do inverno, vem o mau agouro.

De repente, Eddard se vê em um conflito Real, sem saber em quem confiar e tendo que proteger seu grande amigo, o rei Robert Baratheon, de perigos e boatos que nem mesmo ele tem plena consciência. Em meio a tanta confusão na qual se torna a sua vida, apenas uma coisa é certa: há algo de muito estranho acontecendo e qualquer pessoa ao seu redor pode estar envolvida.

E isso é apenas uma parte da história.

Em “A Guerra dos Tronos” Martin cria uma história completa, com suas próprias estruturas, estamentos, leis, mitos e heróis. Um mundo fantástico ambientado em um cenário maravilhoso e mítico, muito semelhante ao que encontramos em Nárnia, ou Eragon, descrito de forma rica e detalhada, levando-nos completamente para dentro da história. Além do mais, o livro é escrito de forma bem clara, sem redundâncias exageradas, fazendo com que se torne fácil de compreender a política e as tramas envolvidas na narrativa, todas as causas e consequências daquilo que está acontecendo ou pode acontecer com os personagens.

O livro é escrito em terceira pessoa e foca, em cada capítulo, um personagem diferente, proporcionando, assim, vários pontos de vista diferentes que convergem e se entrelaçam em diversos momentos, criando uma história dinâmica, rica e multifacetada. Desta forma, é possível analisar os pensamentos desses vários personagens, observar suas ações e ainda por cima, criar uma grande apreensão todas as vezes em que se troca de capítulo e, consequentemente, de ambiente.

Outra coisa muito interessante são os personagens. Todos eles são muito bem feitos. O autor os fez bem humanos, mesmo aqueles que julgamos serem os “bonzinhos” da história, também têm seu lado egoísta ou rancoroso. Fica difícil até de escolher pra quem torcer, ou saber ao certo qual lado está certo e qual está sendo injustiçado. Além do mais, estamos falando de uma guerra, e uma guerra de cunho tão complexo quanto a guerra dos tronos, não tem um lado “correto”. Cada um está lutando pelo seu lado, por aquilo que acha certo. E isso nem sempre significa ser bom, ou eticamente correto.

Confesso que fiquei um pouco receosa quando comecei a ler o livro, já que tenho tido algumas experiências ruins com livros “muito comentados” ultimamente. Mas, conforme fui avançando com a leitura, percebi que o livro merece, sim, todo o alarde que causa. É uma narrativa deliciosa, em uma história fantástica e viciante. Juro que mesmo o livro sendo tão grande quanto é, em momento algum senti que uma passagem era desnecessária ou só servia como enrolação para aumentar o volume do livro. A obra toda foi milimetricamente bem bolada para que o final fosse surpreendente. A maioria das perguntas abertas durante a história foi respondida no final e, aquelas que não o foram, serviram como um gancho magnífico e repleto de uma curiosidade gostosa para ler o próximo. O livro valeu cada uma de suas páginas.

Eu ouvi algumas pessoas comentarem que “As Crônicas de Gelo e Fogo” vieram para ser o “O Senhor dos Anéis” moderno ou até para superá-lo. Olha, eu discordo totalmente. Em minha sincera opinião, uma coisa não tem nada a ver com a outra. O gênero é similar, já que em ambos os casos se trata de uma fantasia, mas, ainda assim, não cabe comparação. Cada história é uma história, cada uma tem a sua particularidade, o seu foco, a sua época e a sua respectiva importância. Não se deve fazer uma comparação. Aliás, eu odeio essa mania de sempre comparar tudo com tudo.

Em resumo, o livro é maravilhoso, de verdade. Não desanimem pelo número de páginas, principalmente porque depois das duas primeiras dezenas delas, a história ganha um embalo impressionante e acaba sendo quase impossível largar o livro. Qualquer pessoa que goste de fantasia, sendo ela clássica ou não, deve dar uma chance a “A Guerra dos Tronos”. Vale a pena, eu prometo.


Avaliação:
Acabamento do livro:   
História: 
Andamento: 
Desfecho: 

Avaliação Geral:

Nenhum comentário:

Postar um comentário